fbpx

Assistência espiritual

Albertina estava gravemente enferma, portadora de insuficiência cardíaca congestiva, uma
condição que fez com que seu coração crescesse muito para tentar compensar a ineficácia de
seus músculos para bombearem o sangue de modo eficaz. “A senhora tem um coração de boi,
dona Albertina”, disse-lhe o médico, pensando em dar a ela a representação imaginária de uma
doença grave. “Que bom, disse ela, um bom boi precisa de um coração grande para rodar o
engenho”. Ambos sorriram e quando o médico saiu, Albertina pôs a rodar a mó do grande
engenho, visitando cada leito e, silenciosamente, aplicando passes espirituais, dialogando com
palavras de ânimo e conforto, fazendo leituras do Evangelho de Jesus. Sua internação durou 12
dias, culminou com seu desenlace, mas apurou-se que durante 10 dias, de forma incessante, a
mulher do coração de boi visitou todos os pacientes internados em sua enfermaria.

A assistência religiosa a pacientes portadores de doenças crônicas foi avaliada como
positiva em muitos textos médicos. Participação em grupos e suporte e conforto oriundos de
crenças religiosas foram medidos em testes, antes de cirurgias. Cerca de 25% daqueles que
indicaram não ter qualquer participação em grupo e também não obterem conforto e suporte
oriundos de crenças religiosas, morreram nos seis meses decorrentes da cirurgia. Entre aqueles
que indicaram tanto participação em grupos e suporte e conforto de crenças religiosas, somente
4% morreram nos primeiros seis meses após a cirurgia. Em outro estudo, o conflito religioso _
Deus me ama? Foi fator preditor de maior risco de morte entre idosos doentes. ( Pargment, K. I.,
Koenig, H. G., Tarakeshwar, N., & Hahn, J. (2001). Religious struggle as a predictor of mortality
among medically ill elederly patients: A 2-year longitudinal study. Archives of Internal Medicine,
161, 1881-1885). Outro estudo buscou as variáveis que influenciaram a mortalidade em homens
acima de 55 anos que se submeteram a cirurgia cardíaca. Duas das 5 principais variáveis
relacionadas com índice de mortalidade em seis meses foram suporte social e suporte religioso.

Aqueles que professaram que não tinham qualquer força ou conforto da religião, o risco de morte
era 3 vezes maior em um período de seis meses em relação aos que disseram que obtinham
força e conforto com a religião. Aqueles que não participavam de atividades de grupo, tinham
chance de morte em seis meses quatro vezes maior que os que participavam. (Oxman, T. E.,
Freeman, D. H. , Jr., & Manheimer, E. D. (1995) Lack of social participation or religious strenght
and comfort as risk fators for death after cardiac surgery in the elderly. Psychosomatic Medicine,
57, 5-15).
Pensando na melhor forma de capacitar os espíritas para assistência espiritual aos
doentes, a AME-BRASIL publicou o livro “Capelania hospitalar espírita – teoria e prática”,
coordenado pelo Dr. Paulo Batistuta. O livro tem por objetivo trazer aos interessados a melhor
forma de exercermos a tão prestimosa assistência religiosa aos doentes, sem qualquer pretensão
de criar uma nova profissão, afinal de contas, geralmente os capelães fazem parte de
congregações religiosas, exercendo função sacerdotal ou pastoral.
Pensando em dona Albertina, que foi a primeira capelã espírita que conheci, já há longos
30 anos passados, lembro-me que graças a ela um confuso cardiologista buscou o socorro de
suas dúvidas existenciais na Doutrina Espírita, afinal, se uma mulher nos últimos instantes de sua
vida, que mal podia trocar 3 passos sem se cansar, saía de seu leito com alegria, para confortar
outros que encontravam-se em condições de doença mais favoráveis que a sua, que segredo
possuía ela?

Lembrando que o mês de abril nos reserva atividades importantes, como o
ENCONTRAME-CO e o CONDAME, convidamos a todos os interessados para conhecer nossas
obras na livraria da AME-BRASIL, bem como nos prestigiar em nossas redes sociais. Os que
desejarem tornar-se sócio-colaborador da AME-BRASIL, estarão optando por auxiliar nossas
atividades.

Jorge Cecílio Daher Júnior – secretário AME-BRASIL.

Deixe um comentário

Informe seus dados de acesso

Já é Assinante Ame+?
OU